O que eu também não entendo

Se eu discordo de ti, é motivo pra tu gritar.

Se eu grito contigo, é motivo pra apanhar.

Se eu revido tuas agressões, é motivo pra me acusar.

Desculpa, mas não é dentro de mim que o demônio está.

Não adianta tu falar em igreja, bíblia ou Deus

Se os teus olhos refletem tudo o que há de pior em ti

A bondade vem de dentro pra fora

E não o contrário

Desculpa.

Apesar de ser o mesmo sangue que corre nas nossas veias

Somos completamente opostos.

Minha mãe diz que provavelmente fomos soldados de lados opostos

Em alguma guerra de vidas passadas

Eu não duvido.

Talvez o acaso

Ou o que quer que seja responsável por decidir aquilo que nós não

Tenha nos colocado tão próximos geneticamente

Porque, talvez,

Mas só talvez

A tua existência equilibre a minha.

E a minha, a tua.

Eu não consigo fazer mal para as pessoas nem que eu queira

E tu?

Ambos sabemos.

Só queria que os anjos te cercassem

E afastassem esses demônios de ti

Pra bem longe

Pra nunca mais voltarem

Pra que a paz chegasse aqui

Pra nunca mais sair.

Mas como não sei se algum dia

Esse dia

Vai chegar

Sigo cuidando os meus passos

E os dela também

Eu sei que ela tem asas

E não precisaria usar sapatos

Se não quisesse

Só não descobri ainda

O que a impede de voar

Talvez seja tu

Ou talvez seja eu

Não sei

Só sei que não soltarei da mão dela

Até que chegue a hora dela

De voar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s