Correndo pra lugar nenhum

Ultimamente minha vida deu mil voltas, virou ao avesso, desvirou, virou de novo até que os pés ocupassem o lugar da cabeça – e vice-versa. Nunca imaginei que fosse possível tanta confusão em um espaço de tempo tão curto. Da noite pro dia, todas as convicções que eu tinha simplesmente afundaram num mar infinito de embaraços mentais. Talvez tenha sido por isso que eu simplesmente estagnei no que diz respeito à escrita. Me tornei repetitiva e, ao mesmo tempo, descobri que tenho amigos muito mais incríveis do que eu mereço.

Mencionar crise existencial na história não cobre 1/5 do que realmente foi. E está sendo, na verdade. Mas fazendo uma analogia estúpida: é como se desde o início de maio eu estivesse com ataques de asma intuitiva, sabendo que alguma coisa estava errada, mas sem ter pra onde correr. Como se depois de ter que escolher entre muitos caminhos de repente eu parasse e me visse sem direção, sem norte. E aí vieram minha família e meus amigos, tentando me guiar. Aos poucos, comecei a não mais correr, a caminhar. Olhar pros lados, retomar o fôlego, afastar aquela sensação de sufoco. Não consegui por completo. Ainda continuo confusa, um pouco ofegante, mas pelo menos agora consegui diminuir a velocidade. Talvez dar um passo de cada vez abra espaço pra vida começar a fazer a sua parte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s